V.

 

A imagem decomposta, estratificada, sobreposta e fragmentada é a minha tentativa de contar uma história que só para mim é verdadeira: a história das minhas neuroses amarradas ao meu viver. Sim, com certeza a manifestação de um universo interno, mas mais do que isso: uma amálgama coabita a forma e a expressão da forma.

Em que ponto exatamente posso encontrar esse amálgama? Ela me parece sussurrar sobre um potencial redentivo. Forma e expressão se iluminando mutuamente.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s